Caixa Postal 15.030
CEP: 91.501-970
Porto Alegre - RS
Tel.: +55(51) 3352.6864
e-mail: info@fkbiotec.com.br

Notícias

Notícias

Uma Vacina contra o Câncer

Mais um grande passo foi dado na guerra ao mal por trás de pelo menos 8 milhões de baixas na humanidade todo ano. A FDA, agência que regula os medicamentos nos Estados Unidos, deu sinal verde para a primeira vacina terapêutica contra o câncer. Produzido pelo laboratório americano Dendreon, o novo armamento se destina, por enquanto, a homens com tumor de próstata avançado. "É a validação do conceito de imunoterapia, uma estratégia de aperfeiçoar as defesas do corpo para atacar tumores", afirma o oncologista Philip Kantoff, do Instituto de Câncer Dana Farber, líder do estudo com 512 pacientes que legitimou a vacina.

"Ela aumenta de quatro a cinco meses a sobrevivência dos pacientes, o que é significativo quando a doença está mais adiantada", comenta o urologista Gustavo Guimarães, do Hospital A.C. Camargo, em São Paulo. De acordo com ele, num estágio um pouco mais avançado, a quimioterapia garante um fôlego extra de três meses ao pacientes. Uma das vantagens aliás, é a carência de efeitos colaterais expressivos, que se limitam a fadiga e dores de cabeça nos primeiros dias após a aplicação. Nada de náuseas e queda de cabelo, como na químio. O intrigante é que, embora benéfica, a vacina não desarticula o tumor em si. "Ao que tudo indica, ela não estaciona o câncer nem reduz seu tamanho", diz Guimarães. "Os mecanismos de ação ainda não estão totalmente esclarecidos", admite Kantoff. Ou, cá entre nós, são um segredo de estado.

Trabalhos estão em curso inclusive para apurar um possível elo entre o tratamento e o maior risco de derrames. Até agora, a indicação se restringe a pacientes com metástase ? ou seja, quando a doença já está disseminada pelo corpo -, poucos sintomas e sem resposta à terapia hormonal, normalmente convocada nessa fase. "É provável que as vacinas sejam ainda mais eficazes em tumores menores", acredita o médico e doutor em biotecnologia Fernando Kreutz, diretor da FK Biotec, companhia gaúcha pioneira em pesquisas com imunoterapia no Brasil. Por uma questão de ética, porém, os testes sempre começam pelos doentes mais comprometidos.

A expectativa é que a liberação da primeira vacina terapêutica abra caminho ao advento de outras correntes de imunoterapia. No Brasil, o pesquisador Fernando Kreutz trabalha, desde 2001, em cima de uma vacina contra o câncer de próstata plicada direto na pele. "Diferentemente do modelo americano, partimos das células do tumor do paciente, extraídas em uma biópsia", explica. Em laboratório, elas são modificadas a fim de facilitar o reconhecimento do antígeno - substância que dedura o câncer - pelo sistema imune. "Já tratamos 216 homens e notamos uma resposta positiva em 38% deles. Alguns pacientes relatam melhora na qualidade de vida", conta Kreutz, que também é professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do sul.